Por quê aplicar BDD?

Behavior Driven Development, ou simplesmente BDD, é uma metodologia para desenvolvimento de produtos que foi criada como técnica para atender às demandas que o TDD não conseguiu suprir. Ela surgiu como proposta ao contexto da codificação de software. A diferença entre as duas técnicas, TDD e BDD, foi explicada aqui: diferenca-entre-tdd-e-bdd/

Hoje, enxergo o BDD como prática colaborativa, porque sua aplicação efetiva é proveniente da interação entre pessoas, com propósito na melhoria da comunicação entre elas. Ou seja, esta é uma ferramenta que não está mais restrita ao âmbito técnico da construção do produto, porque passa por diversas camadas anteriores ao seu desenvolvimento: entendimento das necessidades do cliente e domínio de negócio por toda a equipe desenvolvedora do produto.

Benefícios

O BDD é uma ferramenta que detalha a camada do negócio e chega à área técnica para a correta implementação de comportamentos do produto. Isso porque ela:

  • Facilita o entendimento do negócio;
  • Descreve o resultado esperado pelo cliente;
  • Promove a discussão do negócio;
  • Delimita escopo do produto;
  • Previne a ocorrência de falhas no produto.

Todos os benefícios listados acima contam com esta origem: especificação por exemplos, ferramenta que deve participar nas conversas com o cliente. Assim, quando em sua aplicação, o negócio passa a ser especificado em formato de pequenos exemplos de uso: cenários, contando com critérios de aceite bem definidos: comportamento do produto, o cliente tem sua visão entendida e detalhada para a equipe técnica que irá construir seu produto. E isso resulta em qualidade na entrega do produto, já que ele contará com as funcionalidades desejadas por quem o solicitou.

Como aplicar?

Continuar lendo

Por que ainda precisamos falar sobre diversidade nos ambientes de TI?

Por que?

Quem atua no mercado formal de trabalho hoje lida com as constantes mudanças comuns à cultura da inclusão. Em escritórios nos deparamos com pessoas de diferentes gerações, anseios e responsabilidades.

As pluralidades da sociedade: gênero, etnia, condições físicas e de vida, já estão refletidas no mundo corporativo. Nos ambientes de TI as equipes multidisciplinares são utilizadas como base para a aplicação de metodologias de trabalho capazes de garantir entregas “rápidas”. Isso, por formar times heterogêneos, contendo um pouco de cada especialidade necessária ao antedimento de produtos específicos, restringindo com isto os seus focos de atuação e por consequência ganhando em produtividade.

A esses times  deu-se a responsabilidade de decidir estratégias às soluções: o que fariam e em quanto tempo; com qual o grau de prioridade; e, com quais custos e ferramentas. Eles ganharam a capacidade de discutir ideias. Mas como ser eficaz se só ouço a minha parte da  clientela, a minha “face da moeda”, quando o mundo a quem atendo me apresenta múltiplas?


Por que uma figura “diferente” em meu time ainda me incomoda tanto?

Pela falta de representatividade. E o que isto significa? Que embora eu tenha contato com pessoas “diferentes” de mim em meu meio de convivência ou ambiente trabalho eu não as tenho como modelo, eu ainda não as enxergo como um exemplo a ser seguido ou muitas vezes não valorizo o seu discurso:

  • Apenas 2% dos funcionários das maiores empresas brasileiras são pessoas com deficiência (o mínimo exigido pela lei);
  • As mulheres representam 58,9% dos estagiários e apenas 13,6% das vagas executivas;
  • As mulheres recebem 70% da massa salarial obtida pelos homens;
  • Não existe um executivo de origem indígena nas empresas estudadas;
  • 94,2% dos cargos executivos pertencem a brancos, enquanto apenas 4,7% dos negros ocupam cargos nesse nível. Superatualizado

E por isso é tão importante incluir, para que pela noção de representatividade, cada pedacinho da sociedade se sinta motivada a colaborar com novas ideias. Soluções essas que poderão ser usadas por todos.


É lacração? É vitimismo? É mimimi?

Continuar lendo